Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS | Leitor de Tela
Destaque Site 1600x800 px
Dia 21 de março de 2018 | Por Audrey Scheiner | Sobre Comportamento e Notícias
Banner intérprete (2)

Hoje, 21 de março, é celebrado o Dia Internacional da Síndrome de Down. Essa data foi escolhida porque a síndrome é uma alteração genética causada pela presença de um cromossomo a mais no par 21, chamada trissomia. A comemoração desse dia foi estabelecida em 2006 pela ONU, e tem como finalidade dar visibilidade ao tema e reduzir o preconceito, que muitas vezes acontece pela falta de informação.

A Instituição Beneficente Nosso Lar (IBNL) visa à inclusão dessa  população na sociedade e presta atendimento às pessoas com deficiência intelectual, desde casos mais leves até os mais graves. Além disso, oferece serviços de proteção especial, programas de habilitação comunitária, iniciação ao mercado de trabalho, avaliação funcional da pessoa com deficiência e atendimento individual multidisciplinar.

De acordo com a presidente da IBNL, Mirandolina Lage Thieves, a Instituição é um espaço de convivência que une as pessoas. “É uma casa que surgiu para acolher e colaborar no processo de desenvolvimento, não só dos atendidos, mas para todos aqueles que se envolvam nas ações voltadas à pessoa com deficiência”, diz.

Para que as barreiras do preconceito sejam quebradas, é preciso que exista um incentivo ao desenvolvimento pessoal e social. É essencial deixar que façam tarefas sozinhos para que se sintam seguros mesmo distantes do monitoramento. E, assim, abrir espaço para novas conquistas, possibilitando uma vida adulta independente, seja na parte social, em relacionamentos, construção de uma família ou na conquista de um trabalho.

Vale destacar que a Síndrome de Down não é uma doença e não impede, de maneira nenhuma, que o indivíduo tenha uma vida social normal. A inclusão e a convivência em sociedade são muito importantes para o desenvolvimento, além de ser uma conduta eficiente para o aprendizado.

 

Posts Relacionados

Assine a Revista D+