Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS | Leitor de Tela
Destaque Site 1600x800 px
Dia 7 de março de 2018 | Por Audrey Scheiner | Sobre Notícias e Tecnologia
Banner intérprete (2)

Uma tecnologia criada na USP está concorrendo ao SilverEco and Ageing Well International Awards 2018, premiação que coroa os melhores produtos, soluções e iniciativas criadas especialmente para os idosos. O aplicativo nasceu a partir de uma parceria estabelecida entre o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP, em São Carlos, e a Escola de Artes e Ciências Humanas (EACH) da USP, em São Paulo. A votação do prêmio é online e ocorre até hoje, 7.

Desenvolvido pelo ICMC, o sistema ESPIM, utilizado para monitoramento à distância, funciona como base do aplicativo SENSEM — um software de tarefas aplicado durante as aulas ministradas a idosos na EACH. A ideia cresceu a partir do empenho da professora do curso de Gerontologia da EACH, Meire Cachioni, e da professora responsável pelo sistema, Maria da Graça Pimentel, do ICMC. Com o sucesso da parceria, o projeto foi submetido à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e teve o financiamento aprovado.

Segundo Meire Cachioni, os idosos que participam do projeto têm os aplicativos instalados em seus celulares ou tablets. “Eles recebem, a qualquer momento do dia, um sinal de alerta informando que naquele momento devem fazer determinada tarefa. As solicitações são enviadas aos monitores (alunos de gerontologia) e assim podemos perceber e analisar o aprendizado adquirido durante as aulas de informática”, comenta a professora.

De acordo com a docente da EACH, todas as tarefas, como tirar uma foto, por exemplo, estão relacionadas com o conhecimento exercitado nas aulas semanais do curso de informática nos institutos. “Eles adoram executar o que é solicitado e pedem sempre por outras mais. Dessa maneira, podemos perceber onde estão as maiores dificuldades do aprendizado efetivo e as peculiaridades de cada grupo de alunos, assim, melhorando a relação ensino-aprendizagem nas oficinas”, destaca Meire.

Apesar de o aplicativo ainda não estar disponível ao público em geral, atraiu a atenção do júri da premiação, que foi responsável por selecionar o projeto brasileiro para disputar a final com outros 50 concorrentes. Agora, os finalistas da premiação passam por duas etapas: uma votação aberta ao público e a avaliação de um júri composto por profissionais da área da gerontologia de todo o mundo.

Quer votar? Clique aqui: www.silvereco.org/awards/nominees-2018/university-sao-paulo-brazil/

Posts Relacionados

Assine a Revista D+