Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela
IMG
Dia 11 de agosto de 2016 | Por Rosa Buccino | Sobre Educação e Notícias

Conteúdo em Libras

Texto em Português 

Criado há 15 anos, a Systemic Bilingual tem sido reconhecida por utilizar a interdisciplinaridade como base metodológica, uma vez que engloba as áreas de artes, culinária, ciências, educação física, história, geografia e matemática, permitindo que cada aluno construa naturalmente a própria linguagem até atingir a fluência. “As matérias escolares são integradas à língua estrangeira”, reforça Daniella Campelo, coordenadora da escola.

Outro avanço observado por Daniela diz respeito à dedicação aos alunos com deficiência. Este ano, no encalço da Lei Brasileira de Inclusão (LBI), a escola segue nesse rumo ao incluir dois alunos com Transtorno do Espectro Autista (TEA) em sala de aula. “Ambos exercem habilidades linguísticas, não enfrentando obstáculos quanto à interação com os demais alunos em sala de aula. Isso significa que o aprendizado flui. Para completar, a língua é ensinada de forma natural como é o aprendizado da língua pátria”, detalha.

METODOLOGIA

Quando o professor inicia em uma turma onde há um aluno com TEA, o coordenador pedagógico orienta o professor sobre as características do transtorno. Além disso, ele é treinado para aprender a lidar com peculiaridades, pontos fortes e fracos desses alunos. Outra ação importante é que o professor lê sobre o assunto, participa de palestras e treinamentos pedagógicos específicos. Pode ocorrer, no entanto, que um aluno com deficiência necessite de maior atenção. Nesse caso, um auxiliar presta suporte individualizado. Além disso, ao aluno com deficiência são disponibilizadas aulas em um período diferente do horário escolar e alinhados com a demanda dele.

CASOS EXITOSOS

Há dois anos, José de Barros e Elian Stabenow, alunos com TEA, passaram a frequentar as aulas na Systemic sem necessidade de adequação curricular. “Antes de iniciar o curso eles não tinham noção da língua inglesa. Hoje, comunicam-se através desse segundo idioma. Nota-se, ainda, um progresso considerável no comportamento de cada um deles”, revela Daniela.

 

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+