Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS | Leitor de Tela
Brasileira cria solução para pais com deficiência auditiva
Dia 5 de setembro de 2017 | Por Mayra Ribeiro | Sobre Notícias e Tecnologia
Banner intérprete (2)

A chegada de uma criança na família é repleta de alegrias. Mas, não se pode negar o fato de que esta fase também é um momento de cansaço. Às vezes são horas de sono dedicadas a ninar o filho. Pensando em melhorar a qualidade de vida dos pais dos pequenos, Ana Caline Escarião, de 28 anos, criou uma babá eletrônica. O grande destaque dessa invenção é o fato de ser totalmente inclusiva. Voltado para pessoas com deficiência auditiva, o aparelho avisa quando o bebê chora por meio de uma pulseira vibratória.

A iniciativa da paraibana foi desenvolvida durante o projeto de conclusão do curso de design da Universidade Federal da Paraíba. A jovem procurou fazer um TCC inclusivo por conta do contato com os desafios cotidianos enfrentados pelas primas surdas, desde comprar comida até ir ao hospital. “Depois de muita pesquisa, lembrei das babás eletrônicas, que mesmo em vídeo demandavam total atenção dos pais, ou seja, eles nem podiam dormir. Até o término do projeto não existia nenhuma babá no Brasil para pessoas com deficiência auditiva. Então, tive a certeza que eu realmente deveria fazer esse produto”, explicou Ana em uma entrevista para o portal Uol.

Com a ideia em mente, a jovem juntou-se a dois mestrandos de engenharia elétrica, responsáveis por desenvolver a parte tecnológica da solução. Apelidada como Buátech o produto fica preso no berço da criança a fim de captar apenas o choro. Quando o som é identificado, uma transmissão é feita a uma pulseira vibratória presente no pulso dos pais. Todos os materiais utilizados na criação foram baratos, o que torna a solução economicamente acessível.

No momento, Ana está em busca de um financiamento para inserir o Buátech no mercado. “Vamos abrir uma startup para fabricar o produto ou fazer um licenciamento da patente para alguma empresa fabricá-lo”. A previsão é de que a solução esteja disponível comercialmente em 2018.

Posts Relacionados

Assine a Revista D+