Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela

[tab]
[tab_item title=”Conteúdo em Libras”]

[/tab_item]
[tab_item title=”Texto em Português”]

A semana de estreia da temporada 2017 de Fórmula 1 foi marcada por um fato inédito. Na última semana de março (26/03) a emissora de televisão rede Globo, em parceria com o Instituto Rodrigo Mendes, que atua na luta de uma educação de qualidade para a pessoa com deficiência em escolas, lançou uma campanha publicitária que gera uma reflexão em torno do tema inclusão social.

Realizada pela produtora Casa de La Madre, a filmagem de 1m30s mostra o próprio Rodrigo Mendes – que ficou tetraplégico aos 18 anos por conta de um tiro durante um assalto – pilotando um carro de corrida por meio de comandos cerebrais no autódromo Velo Cittá, em Mogi Guaçu, interior de São Paulo.

A campanha, que faz parte do projeto movido a respeito, idealizado pela Globo, tem o objetivo de mobilizar a sociedade para uma mudança atitudinal perante a questão da deficiência.

Para o sucesso do projeto, uma equipe de mais de 100 profissionais trabalhou em um sistema que detecta os padrões de pensamento do motorista e os liga ao computador de bordo.

Durante a construção, foram instalados sensores no capacete de piloto que paralelamente estava conectado ao motor do veículo. Um software ficou responsável por mapear os impulsos elétricos produzidos pelas ondas cerebrais do motorista e enviar essas informações ao computador de bordo conectado ao sistema de direção. A partir desse dispositivo, Mendes conseguiu acelerar e realizar movimentos de curva por meio do pensamento.

O carro de corrida também foi equipado com um sistema de controle computadorizado no qual é possível acionar direção, acelerador, freio, embreagem e mudança de marcha.

Ao longo das filmagens da campanha, o veículo estava com uma câmara frontal, receptor remoto e comunicação direta com a equipe. O resultado pode ser conferido http://www.youtube.com/watch?v=gK7phgZB4KU.

[/tab_item][/tab]

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+