Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela

[tab]
[tab_item title=”Conteúdo em Libras”]

[/tab_item]
[tab_item title=”Texto em Português”]

A maior competição de crossfit da América Latina, Monstar Series, realizada no Ginásio do Ibirapuera,  aconteceu nos dias 17, 18 e 19 de fevereiro e, em sua programação normal, contou com o campeonato de crossfit adaptado. O atleta Cassio Dutra, 29, que participou da matéria de capa da 12ª edição da Revista D+ sobre moda inclusiva, foi vice-campeão da categoria.

Cassio. Primeiro da esquerda.

Cassio. Primeiro da esquerda.

O processo para participar do evento tinha como objetivo, através de vídeos, separar os atletas em duas categorias: a Scale, para iniciantes, e a RX, para os avançados. O atleta, morador da cidade de Itanhaém, litoral paulsita, foi escalado para a turma RX. Em uma tentativa de assalto enquanto dirigia, o esportista capotou o carro e teve a medula lesionada.

Cassio Dutra à esquerda, com os amigos Radamés e Cleuton Nunes.

Cassio Dutra à esquerda, com os amigos Radamés e Cleuton Nunes.

De acordo com Dutra, a modalidade em que atuou tinha como componentes pessoas com lesões medulares, biamputados e outras, cujas deficiências teriam como necessidade uma cadeira de rodas. “Os exercícios compunham uma mistura de força, resistência e mobilidade”, relatou o atleta.

Dutra afirma que participar de um evento como esse foi gratificante. “Eu fiquei feliz por me sentir incluso, com participantes sem deficiência e pela autossuperação, por fazer coisas que nunca imaginaria concretizar”. Apesar de ter conquistado o segundo lugar, ele diz ter ficado um pouco frustrado. Em primeiro lugar, ganhou o atleta Fernando Mendes. O terceiro foi conquistado por Cleuton Nunes.  “Aconteceu um empate. O critério utilizado para o desempate foi o tempo realizado em cada prova ganha. Por eu não ter o mesmo movimento de tronco que meu adversário, eu perdia muito tempo nesse quesito. Venci nas provas de força e resistência. Só perdi nas partes de mobilidade, que têm mais o uso do tronco”, enfatiza Dutra.

Cassio durante o evento Monstar Series. Seu forte são as modalidades de força e resistência.

Cassio durante o evento Monstar Series. Seu forte são as modalidades de força e resistência.

Entretanto, ele se diz bastante orgulhoso do desempenho: “Agora é treinar mais as minhas dificuldades para me sair melhor nos próximos campeonatos”. Praticante assíduo dos esportes, ele conhece o crossfit desde 2015. “Já participei de alguns campeonatos, mas não treinava o crossfit em si. Fazia uns treinos funcionais, como musculação e pilates. Então, comecei a treinar nesse esporte há três meses, após ser aberta uma academia da área numa cidade vizinha”, afirma.

Segundo o atleta, o esporte é fundamental para a recuperação e saúde das pessoas, seja ela com deficiência ou não. “Dá uma confiança, independência, e ainda que te deixa com uma grande autoestima e definição corporal. Se você quer, você pode. Podemos fazer qualquer coisa que imaginarmos, basta querermos e fazermos nossas adaptações”, enfatiza Dutra.

Cassio e sua amiga Jéssica.

Cassio e sua amiga Jéssica.

Esporte mais cobiçado do momento

O crossfit adaptado consiste na união de três modalidades: o Levantamento de Peso Olímpico (LPO), Ginástico (movimentos da ginástica olímpica) e o Endurance (corrida e remo). O esporte, bem popular em outros países da América do Norte e da Europa, ainda está dando os seus primeiros passos no Brasil.

[/tab_item][/tab]

Posts Relacionados