Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela

[tab]
[tab_item title=”Conteúdo em Libras”]

[/tab_item]
[tab_item title=”Texto em Português”]

Hoje ocorreu a estreia do I Encontro Estadual de Profissionais Tradutores e Intérpretes de Libras, promovido pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência em sua sede, localizada no Memorial da Inclusão, em São Paulo. O objetivo do encontro, que terá o segundo dia amanhã, 6,  é promover debates, apresentar boas práticas e identificar caminhos para o desenvolvimento da profissão.

No primeiro dia, a programação contou como abertura a palestra Comunicação Inclusiva, ministrada pela escritora, jornalista e criadora do projeto Escola de Gente – Comunicação em Inclusão, Cláudia Werneck, 59. Um dos principais tópicos apontados pela jornalista foi a falta de cobertura da grande mídia brasileira em relação aos assuntos relacionados à pessoa com deficiência.

"É preciso mais vivência inclusiva para os jornalistas", relata a escritora Claudia Werneck.

“É preciso mais vivência inclusiva para os jornalistas”, relata a escritora Claudia Werneck.

“Jornalista tem uma memória muito fraca para temas os quais ele não conhece. O profissional da comunicação tem que entender que o papel do jornalista não é apenas o de documentar o que os outros fazem. O jornalista é um agente da história, principalmente das histórias que nunca foram contadas”, enfatiza Claudia.

Uma das causas da falta de interesse da grande mídia, relatada pela escritora, é a não vivência inclusiva e a falta de senso crítico dos jornalistas. “A pessoa tem que entender de direitos humanos, diversificar as fontes e fazer algo novo e adequado ao ano de 2017. Há muita esterilidade no ar, no sentido de que hoje se fala menos de inclusão do que se falava há 15 anos, quando a gente começou a discutir o conceito”, comenta Claudia Werneck.

As palestras do dia 6 terão como segmento a violência contra a pessoa com deficiência.

As palestras do dia 6 terão como segmento a violência contra a pessoa com deficiência.

As palestras seguintes foram A Libras como instrumento de liberdade, Ossos do Ofício e Bilíngues bimodais – efeitos da modalidade.  Amanhã, o encontro terá palestra do secretário-adjunto da pasta, Luiz Carlos Lopes, sobre o Programa Estadual de Prevenção e Combate à Violência contra Pessoa com Deficiência, além das mesas de discussão sobre os temas As primeiras experiências na 1ª DPPD, Interpretação da Libras para Língua Portuguesa, Conduta Ética, O intérprete Educacional e Atuação do profissional Intérprete de Libras e perspectivas do mercado.

O profissional tradutor e intérprete de Libras é um instrumento facilitador da interação humana. Nesse contexto, a fidelidade ao conteúdo do que é dito e traduzido em Libras e Língua Portuguesa garante a equiparação de oportunidades na interação entre surdos e ouvintes, o que enriquece as possibilidades de troca e aprendizado de ambas as partes.

Serviço:

I Encontro Estadual de Profissionais Tradutores e Intérpretes de Libras

Data: 06 de maio

Local: Sede da Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência

Endereço: Avenida Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Barra Funda, São Paulo – SP

Programação: www.encontroestadualdetils.sedpcd.sp.gov.br/programacao.php

Inscrição gratuita: www.encontroestadualdetils.sedpcd.sp.gov.br/inscricao.php

[/tab_item][/tab]

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+