Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS | Leitor de Tela
Destaque Site 1600x800 px
Dia 23 de março de 2018 | Por Mayra Ribeiro | Sobre Internacional e Notícias
Banner intérprete (2)

De acordo com dados revelados em março pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), 3,3 milhões de crianças estão expostas a perigos explosivos e de artilharias não detonadas na Síria.Sem um fim à vista, a guerra que já dura sete anos atingiu 50% a mais de pequenos em 2017 do que no ano anterior. Apenas nos dois primeiros meses de 2018, 1.000 foram mortos ou feridos. Neste cenário, a aquisição de deficiências é presente. Além do ambiente de conflito, os jovens precisam aprender a lidar com a nova realidade em meio à falta de educação, saúde, atenção de cuidadores e tecnologia assistiva.

Este é o caso de Sami, de 14 anos, e vindo de Dera’a, no sul da Síria. “Saípara brincar na neve com meus primos e uma bomba nos atingiu. Eu vi as mãos do meu primo voando na minha frente. Perdi minhas duas pernas. Dois dos meus primos morreram e um também perdeu as pernas”. Hoje ele é amputado e vive como refugiado na Jordânia.

Diante dessa situação, a Unicef tem uma posição firme. “As novas crianças com deficiência muitas vezes precisam de tratamentos e serviços especializados. Mas, sem acesso a serviços, escolas e produtos como a cadeira de rodas, elas enfrentam um risco extremamente real de exclusão, negligência e estigmatização à medida que a guerra implacável continua”, afirma GeertCappelaere, diretor regional do Unicef para o Oriente Médio e o Norte da África.

Em nome das crianças com deficiência e de todos os afetados pelo conflito, o Fundo divulgou uma solicitação às partes envolvidas na guerra. Seguem abaixo as questões requisitadas:

– Investir no fornecimento de apoio vital e serviços de reabilitação de longo prazo.

– Melhorar o acesso a serviços básicos de saúde, nutrição, educação, proteção infantil e água.

– Projetar iniciativas para e com a participação de crianças com deficiência.

– Aumentar assistência financeira às famílias de crianças com deficiência para tecnologias assistivas.

– Trabalhar para incluir as crianças com deficiência nas comunidades.

– Acabar com violações graves contra crianças

Para conseguir alcançar a meta de melhorar a qualidade de vida de crianças com e sem deficiência na Síria em 2018, a Unicef precisa chegar em um valor de US$ 1,3 bilhões. Não deixe de contribuir com alguma quantia! Doações podem ser feitas por meio do site www.doeunicef.org.br.

 

 

 

Posts Relacionados

Assine a Revista D+