Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela
Foto: Divulgação. Filme Gabrielle
Dia 30 de outubro de 2015 | Por Cintia Alves | Sobre Cultura e Notícias

Conteúdo em Libras

Texto em Português

Essa semana trazemos mais 3 filmes que abordam a temática “pessoa com deficiência”.

Reforçamos que esses filmes possibilitam ao expectador conhecer e também quebrar paradigmas sobre a vida dessas pessoas.

Vencer as barreiras impostas pela sociedade, muitas vezes, é a principal dificuldade para a pessoa com deficiência conseguir demonstrar toda a sua potencialidade nos meios educacionais, trabalhistas e também artísticos.

Confiram:

Castelos de Gelo
Foto: Divulgação

Alexis Winston (Taylor Firth) é uma patinadora que sonha em ganhar uma competição e ser famosa no esporte. Quando um treinador resolve investir em sua carreira, ela deixa para trás a família e o namorado para perseguir o seu sonho. Só que um terrível acidente tira sua visão, e seus planos parecem arruinados. Ela precisará da ajuda daqueles que a amam se quiser deixar de ser uma menina comum, agora cega, e se tornar uma estrela no mundo da patinação.

Gabrielle
Foto: Divulgação

A jovem Gabrielle possui a Síndrome de Williams, doença próxima do autismo, caracterizada pelo atraso intelectual, dificuldade na leitura e gosto exacerbado pela música. Na escola onde frequenta, para adultos com a mesma condição, ela encontra Martin, rapaz que se torna o seu namorado. Gabrielle sonha em se tornar independente, às vésperas de uma apresentação de coral junto de Martin. Mas as famílias dos dois não têm certeza que eles sejam capazes de cuidar um do outro.

Ferrugem e Osso

O que você faria se acordasse num hospital após um acidente e estivesse com as duas pernas amputadas do joelho para baixo? Marion Cotillard tem uma resposta: “Adaptar-se”. Foi que o que a atriz fez para viver a treinadora de baleias Stéphanie, em “Ferrugem e Osso”, drama francês de Jacques Audiard. “Ferrugem e Osso” mostra o reaprendizado do movimento por um amputado – da cama do hospital à cadeira de rodas, passando pelo andar com próteses e ao sexo – de maneira natural e, mesmo sendo um fato de grande impacto, está longe de ser o mote do filme. O longa é sobre como a vida pode ser perversa, dura, cruel e também bela, redentora, livre. É, acima de tudo, sobre perseverança.

Por Brenda Cruz / Fonte: Adoro Cinema

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+