Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela
Destaque
Dia 20 de setembro de 2017 | Por Audrey Scheiner | Sobre Notícias e Saúde
Banner intérprete (2)

Ao pensarmos na figura do idoso, é sempre comum associarmos à imagem de um indivíduo que caminha com certa dificuldade, faz movimentos mais lentos ou simplesmente não tem tanto vigor. Entretanto, a perda da força e autonomia não são consequências naturais do envelhecimento. Certos problemas comumente associados à velhice não surgem, necessariamente, devido à idade, mas sim, como resultado de uma série de hábitos cultivados ao longo da vida.

Esse é o caso, por exemplo, da osteoporose, doença que, embora muito comum entre os mais velhos, pode surgir ainda na juventude. O problema é que por ser assintomática, só é realmente perceptível quando já atinge níveis preocupantes, o que costuma ocorrer, justamente, após os 50 anos. Segundo dados do Ministério da Saúde, atualmente 10 milhões de brasileiros sofrem com a osteoporose e, uma das maiores razões para tal não é apenas o fato de estarmos vivendo mais, mas, principalmente, por estarmos cultivando maus hábitos alimentares.

O desgaste ósseo pode ser prevenido e, até mesmo, tratado com medidas simples. A alimentação é, sem dúvidas, a chave para enfrentar o problema. Além do cálcio, outros nutrientes tão relevantes para a saúde dos ossos quanto o mineral, capazes, inclusive, de auxiliar na absorção do nutriente no organismo. Por isso, apostar num cardápio estratégico é fundamental para garantir ossos mais fortes, sobretudo na terceira idade.

Segundo a nutricionista da distribuidora de alimentos Nova Nutrii, Gabriela Domingues, é indiscutível a importância de cálcio para a saúde dos ossos, afinal, quase todo o cálcio do nosso corpo está concentrado nessas estruturas. “O problema é que quando existe uma deficiência do mineral, os ossos ficam enfraquecidos e mais suscetíveis a cãibras, dores e, até mesmo lesões. Essa situação é agravada ainda mais pelo consumo excessivo de sódio, pois este mineral ‘rouba’ o cálcio do organismo, ou seja, impede sua absorção eficaz”.

Para a profissional, essa é a uma das razões pelas quais a osteoporose é tão comum na terceira idade. “É nesse momento que o corpo vai sofrer pelas escolhas pouco qualificadas feitas ao longo de anos. Justamente por isso que muitos só se conscientizam da importância do cálcio nas suas refeições quando o problema já está estabelecido. Ainda assim, muitos continuam errando, pois, apesar de se preocuparem com a ingestão do mineral, se esquecem de outros nutrientes fundamentais para “fixar” o cálcio nos ossos”, finaliza.

Veja abaixo dicas alimentares para prevenção da osteoporose:

bife-de-figado-022017-1400x800

Vitamina D

A vitamina D faz com que o cálcio seja absorvido pelo organismo com mais eficiência e é responsável por direcioná-lo aos ossos, diminuído a fragilidade dos membros. O nutriente pode ser ingerido por meio de alimentos como fígado, ostras, gema de ovo e óleos ricos em Ômega 3.

Proteína - Carnes

Proteínas

Fortalecer a parte muscular também é fundamental para a saúde óssea, afinal são esses tecidos os responsáveis por proteger o esqueleto. Portanto, se não houver um estímulo constante à massa magra, o organismo entenderá que não há a necessidade de uma estrutura fortificada para sustentar os ossos e deslocará os minerais e vitaminas para outras partes vitais, o que contribui para o surgimento da osteoporose.

Vitamina K2 - Soja

Vitamina K2

Conhecida como menaquinona, a vitamina K2 pertence ao grupo das vitaminas K. é possível encontrar esse nutriente em alimentos como: soja fermentada, gema de ovo, leite, fermentação de queijos, fígado, óleos de peixes e iogurte natural.

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+