Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS | Leitor de Tela

A Fundação DorinaNowil para Cegos lança a iniciativa de distribuir adesivos “Aqui tem cardápio acessível” e material de apoio com dicas e sugestões para equipes melhorarem o atendimento às pessoas cegas ou com baixa visão, buscando auxiliar cafés, bares, lanchonetes, fastfoods e restaurantes a se tornarem mais acessíveis.

Referência em cuidados e atendimentos a cegos e pessoas com baixa visão, a Fundação, por meio de sua divisão Soluções em Acessibilidade, lança campanha em parceria com estabelecimentos gastronômicos para ajudá-los a se tornarem mais acessíveis.A Lei da Acessibilidade (Lei 10.098/2000) já determina que estabelecimentos que servem comida disponibilizem cardápios em braile.

A iniciativa começa com estabelecimentos que já produziram versões acessíveis – em braile e fonte ampliada – de seus cardápios na pioneira Imprensa Braile da instituição, a maior em capacidade produtiva da América Latina. Trinta e cinco parceiros, entre eles as redes América, Havana, Johnny Rockets, McDonald’s e Rei do Mate, vêm recebendo gratuitamente quatro adesivos por cardápio produzido para que sejam afixados em locais de fácil visualização, sinalizando que o estabelecimento conta com cardápio acessível. A campanha inclui ainda o “Guia de Atendimento à Pessoa com Deficiência Visual”, com algumas dicas e sugestões de como receber esse consumidor.

“Essa é uma forma de identificar e divulgar estabelecimentos que tiveram a iniciativa de tornar seus ambientes e serviços mais acessíveis, podendo, inclusive, servir de exemplo para outros estabelecimentos interessados nessa prática de responsabilidade social”, conta Itamar Junior, diretor da divisão de Soluções em Acessibilidade da Fundação DorinaNowill para Cegos. Vale lembrar que, de acordo com o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, existem 6,5 milhões de brasileiros com deficiência visual, sendo 6 milhões com baixa visão e 500 mil cegos. “Entendemos que a decisão de produzir esse material em braile e fonte ampliada faz toda a diferença no dia a dia de consumidores com deficiência visual, mas também permite a inclusão de idosos ou pessoas que sofrem com dislexia, por exemplo”, diz Itamar.

Integrante da equipe comercial da divisão Soluções em Acessibilidade da Fundação DorinaNowill para Cegos, Ademilson Costa nasceu com 20% da visão. Aos 12 anos, com o deslocamento da retina, ficou totalmente cego. Reabilitado, ele segue a vida da forma mais independente possível. Casado com Alessandra, também cega, os dois se sentem prontos para uma vida mais autônoma, porém, ainda deparam com estabelecimentos pouco acessíveis para diferentes deficiências. No caso específico da visual, percebem a falta de recursos de acessibilidade simples, seja na estrutura (por exemplo, piso tátil), em materiais, como cardápio em braile no restaurante, e na capacitação da equipe de atendimento ao cliente. “Sempre que saímos para comer fora, faço questão de solicitar o cardápio em braile. Ele representa minha independência e autonomia, além de proporcionar um dos maiores prazeres da minha vida: a leitura. Mesmo que seja um cardápio, eu gosto de ler. Porém, na maioria dos casos, precisamos recorrer a algum funcionário pela inexistência do material acessível”, conta Ademilson.

“Mas a capacitação dos funcionários também é muito importante”, ressalta. “Algumas pessoas têm receio em atender um deficiente visual. Isso porque não estão preparadas e não sabem como exatamente podem nos ajudar, seja na condução até uma mesa ou mesmo descrevendo quais são as opções disponíveis”, diz Ademilson. Para ele, um treinamento simples pode fazer toda a diferença, desmistificando algumas questões. “No final das contas, o que nos motiva a desistir de um local ou a retornar a um determinado restaurante é a forma como somos abordados e acolhidos. E mesmo que a pessoa não saiba exatamente como agir, se ela demonstra disponibilidade para aprender e, assim, nos atender bem, já é um diferencial”, diz Ademilson que, em seus passeios pela cidade ao lado de Alessandra já encontrou cardápios acessíveis e equipes atenciosas em estabelecimentos de diferentes portes – de redes de franquias até a padaria do bairro. Ainda em uma quantidade muito tímida, mas que representam algumas melhorias na questão da inclusão.

Buscando estimular o crescimento deste movimento, Itamar ressalta: “Pensamos  na autonomia e no bem-estar deste grupo consumidor, esperamos que nossos atuais e futuros parceiros envolvam todos os funcionários nesta iniciativa, para que eles se sintam mais confortáveis no atendimento às pessoas com deficiência visual e lembrem-se sempre de oferecer o cardápio acessível”. A campanha por estabelecimentos gastronômicos mais acessíveis espera ir muito além da região metropolitana de São Paulo. “Atendemos clientes de todo o Brasil e, a partir de agora, cada cardápio acessível encomendado será entregue junto com os adesivos da Fundação Dorina Nowill para Cegos e ‘Guia de Atendimento à Pessoa com Deficiência Visual’ da nossa campanha”, afirma.

FDNC - Guia de Atendimento (1)

 

Posts Relacionados

Assine a Revista D+