Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela

[tab]
[tab_item title=”Conteúdo em Libras”]

[/tab_item]
[tab_item title=”Texto em Português”]

Música, sorriso nos rostos e muita dança. A intervenção promovida pelo instituto Entre Rodas & Batom, em parceria com a organização americana One Billion Rising, animou a Av. Paulista no último domingo, 12, e lançou uma das mensagens mais importantes para a sociedade atual: é preciso combater a violência contra as mulheres e meninas, com ou sem deficiência.

Eliane Ozores, psicóloga e fundadora do Entre Rodas & Batom, relata sua expectativa de que o público, ao ver a intervenção, sinta-se parte da causa pela intenção de mudar a sociedade para melhor, fazendo com que todos prestem  atenção no que acontece de ruim com as mulheres. “Essa mudança faz parte de todos nós, não apenas das mulheres. Os homens também precisam entender a urgência de eliminarmos qualquer forma de violência contra as mulheres. Infelizmente, uma parcela do universo masculino é vilã na vida de muitas meninas e mulheres”, enfatiza Eliane.

Nice, com seu cão Fofinho e Sonia, voluntárias do Instituto.

Nice, com seu cão Fofinho e Sonia, voluntárias do Instituto.

Clayton Alves da Silva, 39, conhecido como Clayton Brasil, foi o responsável pela coreografia que embalou a intervenção. A música utilizada para a dança foi Break The Chain, de Tena Clark e Tim Heintz. Segundo o coreógrafo, participar do evento foi gratificante por juntar dança e manifestação. “Essa ação mostra realmente a verdade que acontece no mundo com a mulher. Fazer isso de uma forma dançante é magnífico! É uma experiência que eu vou levar para a vida”, revela o coreógrafo.

O dançarino também afirma que os movimentos confeccionados para a coreografia foram inspirados em danças culturais de diversos países. “Como o Brasil é bem evoluído nessa parte corporal, mais do que os outros países, fiz uma junção de movimentos do mundo inteiro e coloquei nessa coreografia. Adaptei movimentos para cadeirantes e passos mais lentos para aqueles que têm dificuldade de acompanhar. Pensei numa junção que coubesse a todos, pois o evento é mundial. É esse o pensamento: termos a consciência de que não estamos sozinhos. Essa festa representa a união”, relata Clayton Brasil.

Quem não deixou de conferir a ação foi Cid Torquato, 53, cadeirante e secretário municipal da pessoa com deficiência. Ele diz que o país precisa de mais ações como essa. “Quanto mais as pessoas com deficiência estiverem nas ruas e praças, junto com outras pessoas, protestando e reivindicando, melhor. É extremamente importante. Nós temos um passivo de falta de acessibilidade em todos os sentidos, não só física, mas comunicacional também.  A gente só vai evoluir com políticas públicas e ações governamentais, mas quem faz isso de fato é a sociedade civil”, afirma Torquato.

Cid Torquato e voluntárias do Entre Rodas & Batom. O secretário afirma que intervenções como essa fortalece a luta por igualdade e inclusão no mundo.

Cid Torquato e voluntárias do Entre Rodas & Batom. O secretário afirma que intervenções como essa fortalece a luta por igualdade e inclusão no mundo.

De volta em março

Eliane Ozores revela que a intervenção do Entre Rodas & Batom voltará para as ruas junto com a passeata do Dia Internacional da Mulher, que não tem uma data definida. O projeto é conjunto com a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência. O evento também será mundial.

O evento tomou conta da Av. Paulista na altura 900, em frente ao prédio da Fundação Cásper Líbero.

O evento tomou conta da Av. Paulista na altura 900, em frente ao prédio da Fundação Cásper Líbero.

[/tab_item][/tab]

Posts Relacionados