Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS | Leitor de Tela

[tab]
[tab_item title=”Conteúdo em Libras”]

[/tab_item]
[tab_item title=”Texto em Português”]

Em coletiva de imprensa nessa segunda, 20, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, o presidente do Comitê Paralímpico Internacional (IPC), Sir Philip Craven; o presidente do Comitê Paralímpico das Américas (APC), José Luís Campo, e o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e vice-presidente do IPC, Andrew Parsons falaram sobre a abertura dos Jogos Parapan-Americanos de Jovens São Paulo 2017 e a relevância que esse evento tem para os jovens atletas paralímpicos.

 Além dos executivos do IPC, APC e CPB, também participaram da conferência de imprensa a mesa-tenista brasileira Danielle Rauen, medalha de bronze nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, e o nadador mexicano Raúl Martinez Valdez, participante do projeto Road to São Paulo, da organização internacional Agitos Foundation.

Atleta Raul Martonez ao lado de Andrew Parson e Luís Campos.

Atleta Raul Martonez ao lado de Andrew Parson e Luís Campos.

“É ótimo estar aqui na abertura do 4º Jogos Pararapan-Americanos de Jovens 2017. Agora temos um recorde de mais de 800 atletas de 19 países competindo nesse evento”, afirma Sir Philip Craven, abrindo a coletiva. Craven enfatiza também que o aumento de atletas criou um ótimo progresso no movimento paralímpico na América e especialmente no Brasil nos últimos 10 anos. “O desenvolvimento dos atletas a cada edição só aumenta. Isso é muito gratificante”, relata o presidente do IPC.

Vice-presidente do IPC, Andrew Parsons terminará seu mandato no CPB no dia 31 de março. Parsons relatou seus principais focos depois de passar seu mandato para Mizael Conrado. “Continuarei de alguma forma apoiando, ajudando com ideias, e depois que eu terminar o mandato, vou focar no IPC e todos os acontecimentos em torno dele. A linha principal – ser uma organização de prestação de serviço aos atletas – continuará sendo executada pelo CPB”, enfatizou.

Raul Martinez Valdez, 17, tem nanismo e é atleta de natação do México. O jovem relatou que a cada treinamento, ele visa a uma vitória. “Todo treinamento em que eu quebro um recorde, considero que ganhei uma medalha de ouro. Só assim conquistarei as verdadeiras medalhas que quero”, revela o nadador.

 A atleta de voleibol sentado Camile Guedes Cabral, 18, pratica o esporte há um ano e não consegue esconder a felicidade. “Participei do Campeonato Brasileiro do esporte ano passado e fui selecionada para participar do Parapan-Americano 2017. Estamos treinando bastante e nos esforçando para o ouro!”, diz a jovem.

Quanto às expectativas para essa edição dos jogos, Parsons afirma que é apenas o começo para o crescimento dos atletas, que poderão participar da Paralimpíada em Tóquio. “É o início de uma caminhada. Os jovens que vão participar aqui pela primeira vez numa competição internacional podem competir nos campeonatos específicos de sua modalidade ou em alguma outra competição mundial”, acredita o presidente.

.

[/tab_item][/tab]

Posts Relacionados

Assine a Revista D+