Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela
06_larissa_MAIOR

O seu médico fez alguma recomendação especial por você ser cadeirante e estar grávida?

Ele só disse que eu não posso ficar muito tempo na cadeira para não dar escaras, pois o meu peso agora é maior. Também recomendou a cesárea, porque eu não tenho força nas pernas. O restante, tudo tranquilo.

Como as pessoas reagem quando percebem que você está grávida sobre uma cadeira de rodas?

Ficam surpresas! Muitas perguntam se é inseminação. Eu respondo com naturalidade, como coisa normal. A gente se acostuma. Eu não me importo que perguntem, até prefiro.

Para você, como está sendo lidar com todas as mudanças no corpo? O que tem mudado?

O peso é maior, então é mais difícil para passar da cadeira para a cama, para a cadeira de banho… Exige um pouco mais de cuidado. Eu moro com a minha mãe, então ela me ajuda. Mas continuo fazendo de tudo e já ganhei muitas roupinhas de bebê! Quanto à natação, eu costumava treinar três vezes por semana, mas por causa da gravidez decidi diminuir os treinos e nado só uma vez por semana. E não posso participar de competições.

_MG_5121Como você acredita que a chegada do bebê irá mudar a sua rotina? Você está preparada?

Vai mudar toda a minha rotina, mas minha mãe está me ajudando muito. Ela fica comigo o dia inteiro. Eu faço tudo hoje, limpo a casa, cozinho. O meu apartamento é perto da casa da minha mãe e ela vai continuar a me ajudar quando eu me mudar.

Como você lida com a questão da sexualidade?

Quando eu e ele começamos a namorar, a gente passou no meu médico, perguntamos tudo direitinho. É bem tranquilo.

Como vocês se conheceram?

Nos conhecemos na Igreja: nós somos da Assembleia de Deus e éramos amigos. Ele se aproximou de mim e nós começamos a namorar há um ano.

 _MG_5127Para você, uma criança de nove anos na época, como foi lidar com o que lhe aconteceu?

Era muito difícil, porque as pessoas olham de maneira diferente; dizem: “Nossa, tadinha dela…”. Eu passei com um psicólogo até me adaptar. Eu não ia à escola todos os dias, ia um dia sim, um dia não, para as crianças acostumarem comigo. Daí, depois que eu fui para a natação, eu vi que eu podia fazer tudo. Eu adoro nadar!

 

 

Primeira          Pagina 3 de 10          Próximo

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+