Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela
noticias_1558026117
Dia 17 de abril de 2020 | Por Jessica Carecho | Sobre Notícias

Política de Acessibilidade e Inclusão da Unesp foi aprovada em fevereiro após amplo debate

por: Jorge Marinho

Depois de um aprofundado debate com a comunidade universitária, foi publicada em fevereiro a portaria que criou a Política de Acessibilidade e Inclusão da Unesp. Fruto da participação de servidores docentes, técnico-administrativos e estudantes, no âmbito da Comissão Permanente de Acessibilidade, o documento reconhece, como diretriz geral, em todas as unidades da Universidade, o direito à acessibilidade e à inclusão das pessoas com deficiência e com outras necessidades educacionais específicas.

A Portaria 69/2020, que criou a política, tem como base os preceitos estabelecidos pela Constituição Federal de 1988, que ficou conhecida como a “Constituição Cidadã”.

“Essa regulamentação é resultado de uma longa reflexão que teve início em janeiro de 2019, com a participação de representantes das unidades universitárias, câmpus experimentais, Coordenadoria Geral de Bibliotecas, Coordenadoria de Saúde e Segurança do Trabalhador, Comissão de Acessibilidade, Coordenaria do Instituto de Educação e Pesquisa em Práticas Pedagógicas, Coordenadoria da Escola Unesp de Liderança e Gestão, pesquisadores da área, usuários técnico-administrativos e alunos”, diz o vice-reitor da Unesp, professor Sérgio Nobre.

O vice-reitor destaca ainda que a resposta dada por este grupo uniu-se ao princípio norteador da atual gestão da Unesp, que é o respeito à diversidade e a inclusão. “A iniciativa coloca a Unesp em outro patamar, reafirmando a responsabilidade social da Universidade em ajudar na construção de uma sociedade mais justa e inclusiva”, afirma Sérgio Nobre.

Ex-coordenadora da Comissão Permanente de Acessibilidade e coordenadora da Escola Unesp de Liderança e Gestão, a professora Maria Aparecida Custódio Domingues participou diretamente da construção coletiva que culminou na publicação da portaria e destaca que os eixos norteadores da política de acessibilidade recém-aprovada está em sintonia com o que está delineado no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Unesp.

“Os integrantes da Comissão se debruçaram, nesta gestão, sobre os desafios e as ações voltados à temática, elaborando um programa no Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da Unesp específico para a melhoria da acessibilidade na Universidade. Por meio dele, foi possível atender várias demandas das Unidades nos últimos anos. A articulação das ações e a garantia de continuidade delas agora estão previstas na Política de Acessibilidade e Inclusão que, sem dúvida, é uma conquista da comunidade e um diferencial da Unesp”, ressalta Maria Aparecida Domingues, docente da Faculdade de Medicina, do câmpus de Botucatu.

Atual presidente da Comissão de Acessibilidade da Unesp, a professora Vera Lúcia Messias Fialho Capellini acredita que a construção de uma política institucional para a área ajudará a fortalecer a convivência em harmonia e o respeito às diferenças.

“Esta Comissão já tem garantido em várias unidades a acessibilidade arquitetônica, a biblioteca falada e material em Braile. Os coordenadores e professores de diferentes cursos da Unesp têm tentado fazer, na medida do possível, as adaptações curriculares necessárias para garantir a aprendizagem de todos. Certamente que ainda temos barreiras na Universidade e uma delas é a Atitudinal, porém quanto mais aprendermos a conviver com as diferenças mais ampliaremos as culturas, práticas e políticas inclusivas” diz Vera Capelli, docente da Faculdade de Ciências do câmpus de Bauru.

A Portaria Unesp 69/2020 definiu que caberá a cada Unidade elaborar um plano de metas e ações, com vigência de quatro anos, com base na política. Tais atividades terão o acompanhamento e o apoio da Comissão Permanente de Acessibilidade.

“Agradeço a todos e a todas que deram relevância ao assunto, apoiaram e contribuíram com a Comissão, tornando possível a construção dessa Política de Acessibilidade. E lembro que este é só o início de uma longa jornada”, diz Maria Aparecida Domingues.

 

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+