Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela

[tab]
[tab_item title=”Conteúdo em Libras”]

[/tab_item]
[tab_item title=”Texto em Português”]

O Projeto Golfinho, que atua em aulas instrutivas sobre os cuidados da criança na praia, formou sua primeira turma na cidade Palhoça, em Santa Catarina. Ao todo participaram aproximadamente 80 crianças e 65 concluíram o curso com comparecimento em todas as aulas. Também fizeram parte do curso jovens participantes do Instituto Paulo Escobar (IPE), uma ONG de Florianópolis que promove a inclusão de pessoas com deficiência através do esporte.

O projeto, que ocorreu de 9 a 13 de janeiro, além de repassar às crianças os cuidados com o mar, alcançou o objetivo de ensinar a identificação de pontos para banho através das bandeiras, alerta com os perigos de água-viva e a importância de passar no Posto Guarda-Vidas para pegar sua pulseira de identificação.

Guilherme Laydner, 27, nasceu com paralisia cerebral. Participante do IPE, ele e o amigo Mário Wilson, o Maru, 26 anos, que é autista, acompanharam a formatura com as crianças, que foi na sexta-feira (27). Laydner aproveitou e tomou um banho de mar. Ao sair, com frio, ficou no sol para esquentar o corpo. Sorrindo, ele repetia: “Foi um bom banho!”.

Mário Wilson adorou participar do mergulho com seu professor do instituto, o Paulo, que afirma: “As pessoas que participam do projeto ganham mais confiança. E confiança é fundamental para que eles levem uma vida melhor”.

O Sargento BM Andrade, instrutor do Projeto Golfinho, destaca que “Apesar de algumas crianças não terem concluído o projeto, o importante é que receberam instruções de cuidados com o mar e que irão levar essa experiência para a vida”.

As próximas turmas do Projeto Golfinho no município de Palhoças serão de 07 a 10 de fevereiro na Praia de Fora.

 

[/tab_item][/tab]

O Projeto Golfinho, que atua em aulas instrutivas sobre os cuidados da criança na praia, formou sua primeira turma na cidade Palhoça, em Santa Catarina. Ao todo participaram aproximadamente 80 crianças e 65 concluíram o curso com comparecimento em todas as aulas. Também fizeram parte do curso jovens participantes do Instituto Paulo Escobar (IPE), uma ONG de Florianópolis que promove a inclusão de pessoas com deficiência através do esporte.

O projeto, que ocorreu de 9 a 13 de janeiro, além de repassar às crianças os cuidados com o mar, alcançou o objetivo de ensinar a identificação de pontos para banho através das bandeiras, alerta com os perigos de água-viva e a importância de passar no Posto Guarda-Vidas para pegar sua pulseira de identificação.

Guilherme Laydner, 27, nasceu com paralisia cerebral. Participante do IPE, ele e o amigo Mário Wilson, o Maru, 26 anos, que é autista, acompanharam a formatura com as crianças, que foi na sexta-feira (27). Laydner aproveitou e tomou um banho de mar. Ao sair, com frio, ficou no sol para esquentar o corpo. Sorrindo, ele repetia: “Foi um bom banho!”.

Mário Wilson adorou participar do mergulho com seu professor do instituto, o Paulo, que afirma: “As pessoas que participam do projeto ganham mais confiança. E confiança é fundamental para que eles levem uma vida melhor”.

O Sargento BM Andrade, instrutor do Projeto Golfinho, destaca que “Apesar de algumas crianças não terem concluído o projeto, o importante é que receberam instruções de cuidados com o mar e que irão levar essa experiência para a vida”.

As próximas turmas do Projeto Golfinho no município de Palhoças serão de 07 a 10 de fevereiro na Praia de Fora.

 

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+