Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela
Destaque
Dia 31 de julho de 2017 | Por Mayra Ribeiro | Sobre Cursos, Feiras & Eventos e Notícias

[tab]
[tab_item title=”Conteúdo em Libras”]

[/tab_item]
[tab_item title=”Texto em Português”]

Você já pensou em como uma pessoa com deficiência vive em países de baixa e média renda?  Este questionamento teve um espaço de discussão na última sexta-feira (28/07) na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Durante o horário das 14h às 16h30 foram discutidas as perspectivas globais sobre deficiência e vulnerabilidade. O evento foi realizado pelo Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP em parceria com o Instituto de Medicina Física e Reabilitação (Imrea). A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e a Rede de Reabilitação Lucy Montoro foram apoiadoras deste acontecimento.

O debate contou com a presença de personalidades como Linamara Rizzo Battistella, secretária de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência e professora de fisiatria da FMUSP e de Paulo Saldiva, diretor e professor do IEA. Mas foi Hannah Kuper, professora de epidemiologia da London School of Hygiene and Tropical Medicine (LSHTM) e diretora do International Centre for Evidence in Disability quem acalorou a discussão.

A professora inglesa que ficará um mês no Brasil para contribuir com estudos no país relacionados à área de medicina tem atuação na expansão da pesquisa e do ensino no campo da  deficiência em nível global. Portanto, características como prevalência da deficiência, necessidades de saúde e reabilitação da pessoa com deficiência em um ambiente de poucos recursos e a relação entre pobreza e deficiência foram alguns dos assuntos trazidos pela pesquisadora.

De acordo com Linamara, abordar questões da pessoa com deficiência é importante para promover mudanças sociais e de gestão. “O grande desafio hoje é o de garantir espaço para a pessoa com deficiência. Mas a solução não é as políticas públicas ou os resultados que estas políticas trazem. Trata-se da consciência de cada um de nós, na construção de caminhos que realmente falem para os direitos de todos. Os dilemas da pessoa com deficiência envolvem toda a sociedade”.

 

 

[/tab_item][/tab]

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+