Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela
7852
Dia 14 de setembro de 2016 | Por Rosa Buccino | Sobre Idosos

Texto em Português

Como uma pessoa centenária, que acompanhou a efervescência musical dos anos 50 a 80, entre movimentos culturais e políticos, pode enfrentar o envelhecimento? A peça Forever Young, escrita em 2007 pelo suíço Erik Gedeon, desencadeou alguns questionamentos sobre essa condição de vida.

Embalada num roteiro orquestrado por músicas inesquecíveis, Forever Young teve adaptação no Brasil de Henrique Benjamin, direção artística de Jarbas Homem de Mello e, no elenco, os atores: Claudia Ohana, Carmo Dalla Vecchia, Jarbas Homem de Mello, Marcos Tumura, Paula Capovilla e Miguel Briamonte representaram a si mesmos mais velhos. Fafy Siqueira representou uma frenética enfermeira que sugeriu imersões ao passado para seus pacientes durante suas pseudoterapias.

Em alusão a um retiro de artistas, o cenário destacou objetos, mobiliário e figurino retrô. Os atores, apesar das dificuldades impostas pelo envelhecimento, revelaram como conduzir a vida, alicerçados por memórias emblemáticas.  A caracterização dos atores foi de Hugo Daniel à base de látex, riscos, linhas e outros produtos especiais. Já Renata Mello, preparadora corporal, orientou o elenco a identificar as  possíveis limitações ao envelhecer e detectarem como estariam aos 100 anos de idade. Outra curiosidade: Forever Young, música de 1984 da banda alemã Alphaville, foi o hit que intitulou a peça.

O ELENCO E O ENVELHECIMENTO

“A homenagem que a peça prestou ao elenco foi brilhante (…) O elenco aprendeu a se projetar como idoso e refletir sobre a vida.” Claudia Ohana

“Quero envelhecer com saúde e sabedoria. Daí meu comprometimento com hábitos saudáveis, como boa alimentação e a prática de exercícios físicos.” Jarbas Homem de Mello

7861

“As atitudes saudáveis podem promover um envelhecimento ‘melhor’.” Carmo Dalla Vecchia

7854-carmo

“Amo comemorar meu aniversário. Até porque não temo envelhecer! Além disso, toco a vida com disposição para manter mente e corpo em dia.” Marcos Tumura

tumura-7856

“Encare as questões que envolvem o envelhecimento com leveza. Cuide da saúde e mantenha a mente ativa para que essa fase da vida seja mais leve.” Paula Capovilla

paula-7855

“A peça mostrou literalmente para o público que só envelhece quem deixa de se divertir.” Fafy Siqueira (a enfermeira).

fafy-7857

 

“Não temo o envelhecimento, mas, a impotência de deixar de caminhar ou deixar de produzir algo.” Miguel Briamonte (o pianista).

7862

Conteúdo em Libras

Dica: a peça permaneceu em cartaz até 30 de outubro no Teatro Fecomercio, Sala Raul Cortez, na cidade de São Paulo.

[/tab_item][/tab]

 

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+