Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS | Leitor de Tela

Conteúdo em Libras

 

Texto em Português

Por Taís Lambert, do Rio de Janeiro

É como a gente sempre fala: se você gosta de futebol e nunca assistiu ao Futebol de 5, jogado por cegos, não faz i-d-e-i-a do que está perdendo. A modalidade estreou ontem nas Paralimpíadas Rio 2016 contra o Marrocos, no Centro Olímpico de Tênis, dentro do Parque Olímpico, na Barra da Tijuca, e ganhou por 3X1.

O capitão gaúcho Ricardinho Alves e seu time levaram um gol no primeiro tempo, embora tenham ficado com a posse de bola na maior parte do jogo. O autor do gol marroquino foi Abderrazak Hattab, aos 13 minutos. Hattab fazia jogadas tão incríveis que os torcedores diziam, aos berros: “Não é possível! O 9 enxerga, hein!”, referindo-se ao africano.

“No futebol é assim, nem sempre a gente sai ganhando, e não tem jogo fácil, como a gente viu. Mas no segundo tempo nosso futebol sobressaiu e a torcida nos ajudou muito. Ela nos deu força para reverter o resultado. Acho que foi o primeiro passo da nossa história nesses Jogos, e espero que ela termine com a medalha de ouro”, disse Ricardinho.

Ele, que é o melhor jogador do mundo no Futebol de 5, virou o jogo e marcou o primeiro gol do Brasil aos seis minutos do segundo tempo. O baiano Jefinho, outra estrela do time, fez o segundo gol cinco minutos depois. Por fim, Nonato marcou o terceiro e garantiu uma vitória linda para esta estreia.

Torcida no silêncio

Futebol de 5 é assim: todo mundo calado. Quem não aguenta a aflição durante o jogo e solta uma frase qualquer aos gritos, recebe um pito da torcida. “Ssssshhhhhh!”. Como os jogadores são cegos, o que os conduz é o guizo dentro da bola e o direcionamento do técnico. Então, o silêncio é primordial.

Na torcida não poderiam faltar justamente eles, os cegos. Um grupo da Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais (CBDV), com convidados de várias partes do Brasil, como Minas Gerais, Maranhão e do próprio Rio de Janeiro, estavam lá e era, seguramente, um dos grupos mais entusiasmados.

Raul Ferrarez Alves, presidente do Conselho Fiscal da CBDV, cego, disse que o jogo foi muito bom. “O Brasil sempre supera nossas expectativas. É nítido o domínio que a seleção brasileira tem sobre as outras seleções”, opinou. “Esse gol no início doi só nervosismo!”. Amanhã, às 16h, o time brasileiro enfrenta a Turquia. Não perca!

Posts Relacionados

Assine a Revista D+