Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS | Leitor de Tela
Unisinos desenvolve tecnologia assistiva para pessoas com deficiência no RS
Dia 21 de junho de 2017 | Por Audrey Scheiner | Sobre Notícias e Tecnologia

[tab]
[tab_item title=”Conteúdo em Libras”]

[/tab_item]
[tab_item title=”Texto em Português”]

Ter facilidade de locomoção sem transtorno nenhum no meio do caminho é essencial para as pessoas com deficiência, pois é necessário ter acessibilidade, autonomia e liberdade para todos. Foi pensando nisso que surgiu o Projeto Hefestos, nome inspirado no deus grego que é renegado pelo próprio pai, Zeus, por ter deformidades nas pernas. Concebido pelo Laboratório de Pesquisa e Desenvolvimento em Computação Móvel (MobiLab), do Programa de Pós-Graduação em Computação Aplicada (Pipca) da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

O projeto foi idealizado em 2009 e tem como propósito usar a computação móvel para facilitar a locomoção diária das pessoas com mobilidade reduzida de transpor as barreiras impostas pelas infraestruturas dos prédios e cidades. Desde 2011, três protótipos já foram implementados e testados, mas, o resultado de maior destaque, de acordo com o professor Jorge Barbosa, coordenador do Hefestos, é a cadeira de rodas motorizada integrada ao sistema.

A tecnologia pode ser usada em diversos dispositivos móveis. Basta baixar o aplicativo do sistema Hefestos e, através dele, o usuário é informado sobre os recursos de acessibilidade mais próximos (como rampas, elevadores e banheiros adaptados), à medida que se desloca pelas regiões mapeadas e registradas no servidor.

Tecnologia ajuda no encontro de estruturas acessíveis.

Tecnologia ajuda no encontro de estruturas acessíveis.

Ao ser usado ao ar livre, a conexão do aplicativo se dá via internet. Os recursos de mobilidade são fornecidos ao aplicativo de acordo com a sua localização determinada pelo GPS. Já para os espaços internos (indoor), o funcionamento se dá de forma diferenciada. “Além de apresentar os recursos de acessibilidade, esse sistema pode fazer um histórico de trilha dos cadeirantes. Tendo informações sobre os lugares mais acessados, por exemplo, pode-se criar uma série de serviços inteligentes para o percurso, favorecendo ainda mais a circulação e o bem-estar dos usuários”, explica o professor Jorge, no site da Unisinos.

Para mais informações sobre o aplicativo Hefestos, clique aqui.

[/tab_item][/tab]

Posts Relacionados

Assine a Revista D+