Referência em inclusão e acessibilidade!
ACESSO GRÁTIS| Leitor de Tela

Conteúdo em libras

Conteúdo em português

A deputada estadual Célia Leão está convidada pessoalmente pelo publicitário Théo Bratfisch para participar do Fórum Nacional sobre Pessoas com Deficiência de Araraquara, comemorativo aos 199 anos da cidade e programado para o dia 17 de agosto, quarta-feira, das 9h às 12h, com transmissão ao vivo pela TV Câmara no Canal Legislativo e pelo site da Câmara Municipal de Araraquara.

O evento terá transmissão direta para auditórios em instituições de ensino que se cadastrarem, chat online para participação dos inscritos e jornalistas de todo o país. Com o objetivo de esclarecer toda a sociedade sobre como tratar o tema e as vertentes correlatas aos direitos das pessoas com deficiência, o fórum tem com destaque os direitos do cuidador parental que, na totalidade dos casos, precisa deixar o trabalho para cuidar do ente familiar com alguma deficiência.

Autoridades, convidados e representantes de entidades e instituições sociais e assistenciais participarão do evento presencial limitado conforme a capacidade do Plenário e Plenarinho da Câmara de Araraquara.

Célia Leão deverá enfatizar resultados obtidos pela criação da pasta para Secretaria Estadual de Proteção aos Direitos das Pessoas com Deficiência. A deputada da criação do Programa de Apoio à Pessoa com Deficiência (PADEF), de 1995, coordenado pela Secretaria Estadual de Emprego e Relações do Trabalho, explica que o objetivo do programa é ajudar as pessoas com deficiência a conseguirem colocação no mercado de trabalho.

A parlamentar, em seu sétimo mandato na Assembleia Legislativa de São Paulo, ficou paraplégica aos 19 anos, em decorrência de um acidente de automóvel. Casada e mãe de três filhos, tem como base política os direitos das pessoas com deficiência – área em que atua há mais de 35 anos, defesa da mulher, dos idosos, da criança e do adolescente.

Grande parcela da população brasileira possui algum tipo de deficiência. São 23,9% da população brasileira ou 45.623.910 de pessoas com pelo menos uma das deficiências investigadas, em diferentes graus de dificuldade, como a deficiência visual, auditiva, motora e intelectual.

Posts Relacionados

Acesse a Revista D+